OCORRÊNCIA SINCRÔNICA DE CARCINOMA ESPINOCELULAR BUCAL MICROINVASOR E ADENOCARCINOMA PULMONAR: Relato de caso

Adilson César dos Santos Araújo, Arilma Selma de Oliveira Carvalho, Juliana Arôxa Pereira Barbosa, João Carlos de Melo Araújo, André Vasconcelos de Barros Lima, Camila Maria Beder Ribeiro Girish Panjwani

Resumo


O carcinoma espinocelular (CEC) compõe até 95% das lesões malignas da cavidade bucal. Apresenta predileção por pessoas de pele branca, gênero masculino e acomete mais as regiões de língua, assoalho bucal e rebordo alveolar. Clinicamente é caracterizado pela presença de úlcera persistente de bordas irregulares e elevadas, lesões exofíticas ou placas eritroleucoplásica, de sintomatologia dolorosa ou não.  Este caso aborda o diagnóstico de um CEC bucal microinvasor (CECBM) em paciente do gênero feminino, com 59 anos de idade que apresentou lesão de aparência clínica de placa leucoplásica associada a diminuta área de ulceração. Após o diagnóstico de CECBM a paciente foi encaminhada para tratamento oncológico. O serviço de oncologia solicitou exames de imagem de radiografia póstero-anterior e Ressonância Magnética Nuclear de tórax os quais revelaram imagem sugestiva de lesão tumoral localizada em pulmão, cujo diagnóstico foi de Adenocarcinoma Pulmonar (AP), confirmado por meio de punção aspirativa e posteriormente excisão cirúrgica do lobo pulmonar acometido. A paciente foi então tratada e hoje encontra-se livre de lesão. Conclui-se portanto que lesões de CECBM devem ser diagnosticadas sem subestimar a apresentação clínica e além disso deve-se considerar a ocorrência de segundo tumor maligno primário que nesse caso foi diagnosticado durante a avaliação pré tratamento oncológico da lesão primária da boca.


Palavras-chave


Carcinoma de Células Escamosas; Diagnóstico; Patologia.

Texto completo:

PDF

Refer?ncias


Valle CN, Passos RMM, Gonçalves JTCL, Gomes C, Bastos AMTN, Guedes VR. Carcinoma espinocelular oral: um panorama atual. Rev Patol Tocantins. 2016; 3(4): 82-102.

Fernandes VS, Tomo S, Santos IS, Figueira JA, Felipini RC, Bernabé DG et al. Recidiva de carcinoma espinocelular de lábio: relato de caso. Arch Health Invest. 2017; 6(Spec Iss 2): 228.

Silva RD, Dias MAI. Incidência do carcinoma basocelular e espinocelular em usuários atendidos em um hospital de câncer. REFACS (online). 2017; 5(2): 228-234.

Cosin RF, Bastos DB, Furuse C, Biasoli ER, Miyahara GI, Bernabé DG. Carcinoma espinocelular de gengiva: aspectos relacionados ao diagnóstico e aderência ao tratamento. Arch Health Invest. 2016; 5(Spec Iss 1): 153.

Gaetti-Jardim EC, Rossi AC, Santiago-Júnior JF, Shinohara EH, Castro AL, Miyahara GI et al. Carcinoma espinocelular: a importância do diagnóstico precoce. Uningá. 2010; 24(1): 1-6.

Neville BW, Damm DD, Allen CM, Chi A. Patologia Oral e Maxilofacial. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2016.

Jogaib JC, Silveira TJ, Cantini AMR, Gasparini Netto G, Tong CK. Caso clínico carcinoma de células escamosas oral. Cad UniFOA. 2006; 1(2): 1-11.

Pereira ANV, Trentin GA, Deliberali DE, Rizzo LA, Aburad AT, França DCC. A importância do diagnóstico diferencial entre úlcera traumática e o carcinoma oral de células escamosas. UNIVAG. 2017; 1(Spec Iss 1): 7.

Petito G, Carneiro MAS, Santos SHR, Silva AMTC, Alencar RC, Gontijo AP et al. Papilomavírus humano (HPV) em carcinomas de cavidade oral e orofaringe na região central do Brasil. Braz J Otorhinolaryngol. 2017 83(1): 38-44

Pinto DA. Influência do HPV na saúde oral e a perspectiva da medicina dentária: estado da arte [dissertação]. Porto: Universidade Fernando Pessoa, Faculdade de Ciências da Saúde; 2017.

Peres GL, Hernandes ACP, Armelin AML, Tomo S, Stefanini AR, Simonato LE. Carcinoma epidermóide em lábio inferior com prognóstico favorável. Arch Health Invest. 2017; 6(Spec Iss 3): 53.

Ferreira VYN, Lyra TC, Bonan PRF, Perez DEC, Pereira LL. Tumor de células granulares bifocal em mucosa jugal. Rev Cubana Estomatol. 2016; 53(3): 162-167.

Brener S, Jeunon FA, Barbosa AA, Grandinetti HAM. Carcinoma de células escamosas bucal: uma revisão de literatura entre o perfil do paciente, estadiamento clínico e tratamento proposto. Rev Bras Cancerol. 2007; 53(1): 63-69.

Pádua TC, Braga JC, Souza MCA, Costa EMA, Gonçalves SJC, Oliveira RVS. Carcinoma de células escamosas bucal: prevalência no município de Vassouras/RJ entre 2012-2015. Rev Saúde. 2017; 8(1): suplemento 98.

Domingos PAS, Passalacqua MLC, Oliveira ALBM. Câncer bucal: um problema de saúde pública. Rev. Odontol. Univ. Cid. São Paulo. 2014; 26(1): 46-52.

Ribeiro ILA, Medeiros JJ, Rodrigues LV, Valença AMG, Lima Neto EA. Fatores associados ao câncer de lábio e cavidade oral. Rev. Bras. Epidemiol. 2015; 18(3): 618-629.

Ferri JVV, Gornatti VP, Martins TV. Malignidades primárias sincrônicas de pulmão e reto: relato de caso e revisão da literatura. Rev Med (São Paulo) 2016; 95(3): 152-155.

Adhikari J, Sharma P, Bhatt VR. Risk of secondary solid malignancies after allogeneic hematopoietic stem cell transplantation and preventive strategies. Future Oncol. 2015;11(23):3175-85.


Apontamentos

  • N?o h? apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista da AcBO - ISSN 2316-7262


Para ficar por dentro de todas as
novidades da Morelli, peça já o
novo catálogo de produtos!

O futuro já chegou!
www.portodent.com.br
+55 (51) 3374-3396